IMG_9311.jpg

O Secretário de Estado para a Ciência e Ensino Superior de Portugal, João Sobrinho Teixeira, visitou no passado sábado, a Escola Superior de Ciências Agrárias e Ambientais da Universidade de Cabo Verde (ECAA | Uni-CV), em São Jorge dos Órgãos, com o objetivo de se inteirar do andamento do projeto de instalação do Centro de Investigação de Montanha Cabo Verde (CIMO – CV), um Centro irmão do mais prestigiado polo de investigação do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), que vai ser instalado nas instalações da  atual ECAA.

DJI_0141.jpg

O projeto de instalação do Centro de Investigação de Montanha de Cabo Verde foi apresentado pela Presidente da ECAA, Isaurinda Baptista, que fez questão de sublinhar que, com a mudança da ECAA para o Novo Campus da Uni-CV, na Praia, o CIMO-CV ficará localizado na atual ECAA, São Jorge dos Órgãos, uma localização privilegiada no centro do perímetro florestal de São Jorge dos Órgãos, um dos raros biomas segundos da ilha de Santiago.

Cabo Verde é um país rico e diversificado em fauna e flora, com espécies tipicamente atlânticas que necessitam de ser conservadas e documentadas. Existe um enorme potencial na exploração sustentável, como fonte de ingredientes de base natural para os diferentes setores industriais, mas também um potencial grande de fontes marinhas na prospeção de substâncias de alto valor acrescentado. Constata-se, no entanto, que as condições de higiene e salubridade na cadeia alimentar são geralmente insatisfatórias o que constitui um dos principais fatores de risco para a contaminação de alimentos. Neste âmbito surge o CIMO – CV, um Centro de Investigação e Inovação que se dedicará à investigação relevante visando a melhoria das cadeias agroalimentares, atuando a montante no aumento da eficiência da produção agrícola e ajudando na obtenção de ingredientes de alto valor acrescentado, através de prospeção de espécies autópticos de Cabo Verde, no ambiente e meio marinho e terrestre.

{os-gal-32}

Já a Reitora da Uni-CV, Judite Medina do Nascimento, espera resolver os problemas de quadros e recursos humanos da ECAA, com a instalação do CIMO – CV, enquanto pilar do desenvolvimento da Escola.

O Centro de Investigação de Montanha do Instituto Politécnico de Bragança, em colaboração com a ECAA, apoiará a implementação do Centro em termos de infraestruturas e equipamentos relevantes, através da instalação de áreas de experimentação, espaços laboratoriais (laboratório de química, microbiologia, biologia molecular, bromatologia e desenvolvimento de produtos), capacitação de recursos humanos e mobilidade  de doutores, técnicos e gestores de ciência e tecnologia para a realização de  formação pós-graduada, investigação colaborativa, assegurando a transferência de conhecimento de tecnologia e inovação.

IMG_9289.jpgO Secretário de Estado para a Ciência Ensino Superior de Portugal afirmou que o projeto está bem orientado. O objetivo principal é “criar quadros qualificados e emprego científico aqui”, com deslocações temporárias de investigadores daqui e do CIMO IPB.

Sobrinho Teixeira, que falava em São Jorge dos Órgãos, durante a apresentação do projeto de instalação do CIMO – CV, espera que daqui a 5  ou 10 anos o Centro se torne muito pouco dependente daquilo que é o financiamento do Estado, ou seja, o orçamento daquele Laboratório há-de ser, em grande parte um orçamento competitivo,  através do financiamento de projetos europeus, vendendo e muito a ciência aplicada. O objetivo é gerar ciência que é vendida como retorno, portanto, isso gera empregos qualificados”. 

 

O CIMO – CV tem duas linhas de investigação, a primeira é “Agricultura sustentável e cadeias agroalimentares inovadoras”, que inclui práticas para aumentar a eficiência e a resiliência da produção e o fornecimento de bens agrícolas em cenários de alterações climáticas e socioeconómicas, bem como o desenvolvimento de métodos de análise nutricional, química, bioquímica e microbiológica, controlo da segurança alimentar, identificação de potencial de negócio agroindustrial e acesso a mercados de produtos diferenciados e inovadores. A segunda linha de investigação é “Ingredientes de base natural”, que inclui a valorização de recursos naturais endógenos, caracterização química e biológica de produtos naturais, química medicinal, e do desenvolvimento de produtos de base natural inovadores para os setores alimentar, em particular dos alimentos funcionais e nutracêuticos, cosmético e farmacêutico, identificação de fontes alternativos para obtenção de moléculas de alto valor acrescentado.

IMG_9285.jpg 

 

 

A Presidente da ECAA defendeu que dentro das linhas de investigação, já foram identificados 4 projetos pilotos, nomeadamente: prospeção química e bioquímica de espécies vegetais autóctones de Cabo Verde; avaliação da qualidade, autenticidade, rastreabilidade de alimentos importantes na cadeia alimentar em Cabo Verde; avaliação das condições fitossanitárias da agricultura de sequeira e regadio; e  a adaptação e a resiliência a mudanças climáticas que será desenvolvido em colaboração com o Centro Internacional de Investigação Climática e Aplicações (CICLAA).

 

 

 

 

 IMG_9301.jpg

 

“O Governo de Cabo Verde apoio o projeto do Centro de Investigação de Montanha, o nosso país deve fazer um esforço no sentido de alinhar as estratégias de investigação no domínio das ciências agrárias que é a tendência mais avançada da ciência, por isso temos todo o interesse em apoiar esta iniciativa. A Universidade de Cabo Verde deve contar com a nossa disponibilidade e parceria para pormos de pé conjuntamente este projeto de investigação direcionado para uma investigação universitária e aplicada que tenha repercussão na inovação e transferência de conhecimento para as indústrias”, frisou o Secretário de Estado para a Educação, Amadeu Cruz.

 

 

 

Durante a visita, o Secretário de Estado para a Ciência Ensino Superior, acompanhado da sua comitiva e  dirigentes da Uni-CV, visitou as instalações do futuro Centro de Investigação de Montanha, na atual ECAA, localizada em São Jorge dos Órgãos.

{os-gal-33}